social_network_still

1 – SOCIAL NETWORK

Uma história difícil, aparentemente, de levar para o grande ecrã. Pouco “sumo” para criar uma longa-metragem. Os excelentes diálogos, a forma como a história é contada e as mensagens que são passadas, conseguem criar uma obra excepcional que prende o espectador do principio ao fim, e mais importante que isso, faz pensar e refletir sobre os tempos que vivemos.

Todas as personagens foram pensadas ao pormenor. Até os dois empresários que inicialmente investem no facebook foram bem escolhidos. Um branco e um negro, com um ar sharp, inteligente. Com ar de empresários que fazem a diferença neste novo mundo. O cuidado de incluir um indiano no grupo “rico” dos gémeos. Um monumental ator para personagem principal, uma excelente aposta no Justin Timberlake, e podíamos continuar a apontar excelentes escolhas para todas as personagens que aparecem no filme.

O Jesse Eisenberg é também uma razão essencial para ver o filme e um dos principais responsáveis para o sucesso do mesmo. Encarna o personagem ao nível dos melhores. Mereceu a nomeação. A edição, a banda sonora e a fotografia (que com o Fincher andam sempre de mãos dadas) são do melhor que ele nos tem habituado, que é suficiente para explicar o nível de qualidade deste filme. A banda sonora foi elaborada pelo homem dos NIN e é fabulosa.

As mensagens são o mais importante, embora sejam subtis ao longo de todo o filme. Poder e Solidão, já se falava do mesmo no Citizen Cane. Genialidade e Talento, já se falava do mesmo no Amadeus. Amizade e Traição, já se fala desde as tragédias gregas. Uma nova era e uma nova forma de comunicar, muito importante para quem não se está a aperceber disso (tudo é imediato nos dias de hoje e a informação cada vez corre mais rápido). Como em todos (ou quase todos os filmes do Fincher), a Obsessão e a importância da mesma na nossa vida (ele próprio é obcecado pelo seu trabalho).

Por fim, e mais importante, o poder da juventude. Agora mais do que nunca, os jovens têm poder real. É uma novidade e realidade dos novos tempos, ainda descurada por muitas pessoas. Das mais poderosas empresas da atualidade pertencem a jovens. Por todas estas razões considero o Social Network a melhor realização e o melhor filme do ano… E tem a melhor música de trailer da história do cinema.

inception

2 – INCEPTION

Tenho um (bom e grave) problema com o Christopher Nolan. É um dos meus realizadores preferidos desde o seu primeiro filme (excecional Memento), como deverá ser um dos realizadores preferidos para todos os que amem cinema, muito simplesmente porque ele não dá grande margem para dúvida. Os filmes dele são tão bem feitos, tão equilibrados sem serem politicamente corretos que atraem todos os apaixonados por cinema.

Nessa medida faz lembrar um monstro da sétima arte e o meu realizador preferido de sempre: Kubrick. O problema que eu tenho com o Nolan é o Dark knight. Na minha opinião atingiu um patamar tão elevado (o Dark Knight deve estar no meu all time top 10) que é difícil ver os filmes pós Dark Knight sem ter as expectativas inatingíveis.

Mesmo considerando este factor, o Inception consegue vencer. Tem um argumento original (o Dark Knight também) e um universo e personagens originais (o que já não acontece com o Batman). A história está excecionalmente bem conseguida. Complexa, que pede várias visualizações, mas que não deixa de satisfazer os mais variados públicos na primeira vez que se vê.

Introduz as pessoas no conceito, o público percebe e fica satisfeito, compreende que é um filme com várias layers, não as apanha a todas na primeira visualização, mas entende que é um filme suposto ver várias vezes. O Leonardo Di Caprio está mais uma vez em grande forma, e a realização é realmente notável tirando o partido máximo de todas as áreas do filme: Casting, efeitos especiais, fotografia, montagem, argumento, banda sonora, etc. Tecnicamente é assombroso, tendo recolhido a maioria dos prémios destas áreas até agora.

O filme tem mais outro mérito bem importante. Contrariando o hábito cada vez mais irritante dos estúdios de lançarem todos os bons filmes na altura dos Óscares, o Nolan lançou-o a meio do ano e não teve medo de amadurecer na cabeça dos críticos. Amadureceu bem e é o único filme sem medo que chegou à época dos prémios sem beliscões e em grande forca.

 

TRUE GRIT

3 – TRUE GRIT

Os manos voltaram a fazer uma obra-prima. É mais forte do que eles. Depois de Fargo e No Country for old men (também este um grande western mas passado nos nossos dias), os Cohen fazem a sua terceira obra-prima. Os filmes dos Cohen, e estes em particular, são lições de cinema.

A história, a direção de atores, a fotografia, o editing, o costume design, o som, a música, tudo é executado na perfeição e com uma sabedoria de quem ama e percebe muito de cinema. O sentido de humor dos Cohen trazem sempre uma componente original e tornam-nos únicos e verdadeiras obras de autor. O argumento é excelente, com diálogos de época construídos de uma forma inteligente prendendo o espetador do principio ao fim do filme, a história é cativante e tudo o que se espera de um western ao melhor nível.

O Jeff Bridges tem eventualmente o melhor papel da sua carreira, muito melhor que em Crazy Heart, e melhor que em qualquer outro filme que tenha visto dele. A sua voz esta praticamente irreconhecível, juntamente com a sua imagem que encarna totalmente o wild and dangerous west da altura. A atriz principal é magnífica, uma performance digna de Óscar (será uma injustiça se perder para a Helena Boham Carter), e é uma das principais atracões do filme. É definitivamente o ano das mulheres. Não me lembro de um ano tão bom para as mulheres como este: Black Swan, Kids, Love and other drugs, True Grit, Kick Ass, Winter’s bone… o difícil é escolher.

O resto do casting está muito bem escolhido com os já habituais (nos filmes dos Cohen) atores secundários escolhidos a dedo e que fazem toda a diferença no resultado final. Feios porcos e maus como se pretende de um bom western (conceito introduzido pelo génio Sergio Leone). A dinâmica e química entre o Jeff Bridges e a Hailee Steinfeld resulta ao nível das melhores duplas da história do cinema.

A edição poderá ser mesmo a melhor do ano. Os Cohen montaram o filme magistralmente contando a história de uma forma fluida, clara, inteligente sem uma única cena fora do sítio, sem desperdícios. Os únicos desperdícios foram a favor do humor o que se compreende no sentido que trouxeram obvias mais valias ao filme (inesquecível cena do Rooster e ela à espera na neve do suposto perseguidor que quando aparece se revela uma personagem inesquecível). Menos “arte” que no Country, menos “humor” que no Fargo, mas mais filme (no geral) e mais história. A terceira obra-prima dos Cohen está aí. Esperemos que continuem por muitos e longos anos, considerando que são dos realizadores mais criativos e talentosos da atualidade.

toy_story_3-38169

4 – TOY STORY 3

Depois do Wall-e e do Up, a Pixar tinha colocado a fasquia tão alta, que mesmo com todo talento que emana de San Francisco Bay, eu e muitas outras pessoas interessadas nesta área da sétima arte, duvidavam seriamente que a Pixar conseguisse superar as expectativas.

Com o Toy Story 3, a Pixar conseguiu fazer qualitativamente o melhor filme até à data como conseguiu alcançar a marca do filme de animação com a maior receita de bilheteira de todos os tempos (1 bilião de dólares worldwide).

Conseguiram colmatar todas as falhas que ainda subsistiam nos filmes anteriores. Ao Wall-e faltava-lhe o lado humano podendo ser considerado um filme mais “frio” e ao Up embora tenha 2 cenas absolutamente transcendentais tinha o “problema” de poder ser interpretado como um filme muito infantil. O Toy Story 3 ultrapassa estas questões, produz o melhor filme da trilogia, supera as expectativas e alcança desta forma a coroa da Pixar.

Primeiro que tudo, os temas tratados no filme são universais e aí reside a genialidade do mesmo. Temas acessíveis e intemporais para todas as pessoas desde os 8 aos 80 anos. O abandono, a amizade e a mudança são abordados de uma forma bem profunda e ao mesmo tempo ligeira o suficiente para não o tornar demasiadamente dramático

A importância da adaptação à mudança, de largar o passado para poder abraçar o futuro. Depois temos os personagens… Fabulosos… Não existe um único personagem que não apeteça ver e rever. Depois temos o humor. Depois temos a história. É um fabuloso filme de aventuras. Ao nível dos melhores filmes de aventuras. Ris, choras, refletes, entusiasmas-te, torces pelos personagens, não dás pelo tempo a passar e ficas com pena quando acaba. O que é que se quer mais no cinema? A Pixar volta a colocar a fasquia mais alta e torna-se cada vez mais um marco incontornável na história do cinema e uma das organizações mais criativas do mundo.

grantorino3456

5 – GRAN TORINO

A par do Imperdoável, Mystic River e Million Dollar Baby, é um dos mais perfeitos filmes de um dos meus realizadores preferidos. O filme fala de uma das minhas frases favoritas de sempre que é: everything you know is wrong. Até no final da vida se pode aprender que tudo o que se fez e tudo o que se é, está errado. E o mais impressionante é que nesse mesmo final da vida, há lugar para arrependimento. Podemos aprender a fazer o que está certo, podemos desfrutar desse momento e sermos felizes. Podemos dar o melhor de nós e fazer uma coisa transcendental que é ao mesmo tempo redentora e altamente solidária e caridosa. Podemos salvar a vida de uma pessoa. E tudo isto é interpretado pelo grande Clint no, talvez, melhor papel da sua carreira e deixa o espectador sem palavras. Quem tem dúvidas sobre o que anda cá a fazer neste mundo, veja este filme. O Clint explica.

the-fighter1

6 – THE FIGHTER

É irritante que os bons filmes se acumulem todos no final do ano. Este filme é o caso. É possivelmente o filme que melhor descreve um ambiente saloio no seu expoente máximo. O bairro e as personagens onde decorre a ação são de um nível tão baixo que vale a pena ver para satisfazer a curiosidade. A recriação deste ambiente está perfeita. E isto por causa do excelente argumento, mas principalmente do fabuloso casting.

O gigante Christian Bale é dos principais responsáveis pelo nível de realidade saloia que o filme consegue atingir, mas todos estão fenomenais com um destaque especial para a mãe dos protagonistas principais. O que acaba por ser muito interessante é que, por mais diferente que seja a realidade onde tu vives, seja alta sociedade ou baixa ao seu mais baixo nível (que é o caso), vais acabar por ter sempre os mesmos problemas e as mesmas mecânicas.

A influência do meio onde vives e da tua família são sempre elementos importantíssimos na gestão da tua vida e que podem fazer a diferença entre o sucesso e o insucesso. Seguires o que tu achas que é o mais correto é quase sempre a decisão mais acertada e não o que o teu meio acha o mais correto. Lutares contra o teu meio exige sempre uma coragem muito grande, lutares contra as tuas raízes, contra o que te disseram sempre que era o mais correto. Essa luta por vezes é mesmo necessária e pode mudar a tua vida.

E neste caso a luta do Mark Wahlberg (ele também com um excelente papel) é inspiradora e torna o filme inspirador. O argumento é excelente com diálogos e personagens fabulosas que por vezes nos fazem lembrar os melhores “Scorceses”.

Às vezes os inimigos estão mesmo à tua porta, e só tens a ganhar se te aperceberes disso. Como o Bono disse, “Dá sempre atenção aos teus inimigos que eles vão durar mais tempo que os teus amigos”. A grandeza do argumento está no facto de manter os pés bem assentes na terra. Não assume os inimigos nem os amigos como óbvios e a família tem sempre um papel importante a desempenhar. Como na vida de cada um de nós, a família é sempre um elemento fundamental a gerir por mais que não se queira. Não há como “fugir” da família (para o bem e para o mal).

O Mark Twain tem uma frase absolutamente genial que é: “nunca subestimes a quantidade de pessoas que te querem ver falhar”. Neste caso podemos acrescentar, nunca subestimes a quantidade de pessoas que se estão nas tintas para ti. E se não fores tu a lutar pelo teu sucesso e pela tua felicidade nunca ninguém o fará.

Natalie-Portman-in-Black-Swan_1024x768

7 – BLACK SWAN

Para quem gosta de arte e do meio artístico, gosta e gostará sempre de ver filmes sobre talento. Onde existe, como existe, como aparece, quem o tem e porquê. Os bons filmes sobre este tema nunca explicam, mas dão bons indícios com personagens (e atores) fenomenais que nos fazem ficar mais perto e de alguma forma perceber essa coisa maravilhosa (e na maioria das vezes penosa) que é o talento.

O Amadeus mergulhou-nos nesse mundo e o Black Swan também. Falo dos dois pois ambos exploram e associam a loucura e o sofrimento ao talento de exceção. O “Diário” de Chuck Palahniuck vai mais longe e diz que o talento é o resultado de um caminho de sofrimento. Sem esse caminho, ninguém alcança o talento de exceção. Gosto deste tema e por essa razão gosto automaticamente do Black Swan.

Para além disto temos uma transcendental atriz e performance, talvez das melhores performances que vi em cinema. E o mais engraçado é que com esta performance, a Natalie Portman encarna na perfeição a mensagem do filme sobre o talento.

Depois temos um excelente realizador, que o meu amigo e jovem realizador Henrique Pina muito gosta e com muita razão. Filmou e editou o filme com uma excelência exemplar, e nos dois últimos filmes dele, sacou a melhor performance de sempre dos seus respetivos atores principais. É um realizador superior e para acompanhar no futuro. A forma como ele filma a maioria das cenas, em especial as de bailado chegam a ser inovadoras. O filme é obsessivo e desconfortável o que é sempre bom e uma lufada de ar fresco nas dezenas de filmes confortáveis e maus que existem hoje em dia.

The-Kids-are-Alright-photo

8 – KIDS ARE ALL RIGHT

É um filme importante. É um filme que contribui para que um passo seja dado na tolerância. Para quem é contra o casamento gay e contra a adoção de crianças por estes casais, este filme pode abrir algumas perspetivas (embora duvide que alguém que tenha estas convicções veja este filme, mas enfim).

Uma família com um casal homossexual pode ser muito mais funcional que uma família tradicional. Esta história é um bom exemplo disso. Desde que haja amor, respeito, responsabilidade e preocupação, qualquer criança pode ser bem-educada e crescer saudável física e psicologicamente.

O filme coloca outra questão para discussão. Independentemente das preferências sexuais do casal, TODAS as famílias são complicadas, mas ao mesmo tempo absolutamente essenciais. Muito importante a cena em que a filha chega às instalações da faculdade, tenta dar um ar independente mas desespera quando pensa que a família se foi embora sem se despedir dela. E emociona-se (emociona-nos) quando finalmente descobre que afinal só tinham ido estacionar o carro e abraçam-na intensamente.

O elemento desestabilizador desta família não podia ter sido melhor imaginado: O pai biológico dos miúdos, ultra cool, com uma vida sofisticada, com pinta, com uma empatia natural com eles, ou seja, o argumento perfeito para colocar esta família à prova. O Mark Ruffalo tem uma interpretação cirúrgica desta personagem. Todas estas interações estão excecionalmente conseguidas, nunca tomando partidos e passando sempre a mensagem que a vida e as famílias não são fáceis, mas há que tentar, pois são tudo pelo que vale a pena lutar.

E com famílias assim, os “kids” estarão sempre “all right”.  Para finalizar… Aparece a atriz negra mais bonita da história do cinema. E a Anette Bening é muito provavelmente a melhor atriz do ano. À medida que se vai vendo o filme o único pensamento que vem à cabeça é que é impossível esta mulher não ganhar todos os prémios de representação este ano. Só há um ligeiro problema chamado Natalie Portman que poderá e deverá com toda a certeza, estragar a festa.

shutter-island-3

9 – SHUTER ISLAND

Depois de ter anunciado que iria deixar de trabalhar de vez com os estúdios norte americanos, o Scorcese lá voltou a fazer mais um filme em terras (e com o dinheiro) do tio Sam. Não é um dos melhores filmes do Scorcese, mas é um grande filme, melhor que muitos filmes dele e um dos melhores filmes do ano. As referências a géneros noir e terror são um dos pormenores mais interessantes do filme.

O Leonardo di Caprio tem uma representação impecável como já é hábito, e o filme é recheado por atores de topo com representações notáveis. A mente controla tudo inclusivamente a realidade que é vivida por cada um de nós. A premissa é forte e a história fortalece e explica bem esta perspetiva. O twist final é muito bem conseguido e pede uma segunda ou terceira visualização para desfrutar bem da história. A realização, edição, banda sonora é Scorcese no seu melhor. O filme é um excelente produto de entretenimento. Sem grandes mensagens de fundo, mas com todos os pormenores que fazem um grande filme de entretenimento. Estreou no início do ano e desde esse momento q se tem mantido acima da concorrência.

scott-pilgrim-vs-the-world

10 – SCOTT PILGRIM VS THE WORLD

Muitos parabéns a todos os que contribuíram para que este filme fosse feito. Pois todos eles, desde o realizador ao estúdio (e principalmente este) poderão estar a passar um mau bocado neste momento. O filme era complicado de vender e isso confirmou-se (em Portugal estreou em 2 salas a medo e nas 2 semanas seguintes desapareceu… Sem comentários).

E o que me agrada, e por isso dou os meus parabéns, é que acredito que todos os envolvidos tinham noção do risco que estavam a correr, o que lhes dá ainda mais mérito É assim com alguns filmes que ficam para a história do cinema, e será assim com este. É assim com todas as pessoas que querem arriscar muito, é assim com todos aqueles q fazem coisas absolutamente novas que ninguém entende numa primeira fase mas q depois se tornam clássicos

O filme é inovador. Respira novidade, qualidade, inovação, criatividade. Quebra as barreiras e os limites, mas dando a sensação óbvia que assim é que deve ser feito e que é assim que já se deveria fazer há muito tempo. Ao mesmo tempo recolhe referências de uma geração agora entre os 30 e 40 anos. Por último, e porque sou fã do género ainda mais relevância tem para mim pessoalmente, é a melhor comédia do ano. O Michael Cera torna-se cada vez mais uma referência absoluta na comédia moderna acumulando também outra das grandes comédias dos últimos anos. O genial superbad.

Winter-s-Bone-2010-Blu-ray-screencaptures-jennifer-lawrence-20830008-1920-1080

11 – WINTER’S BONE

Como é que vês o mundo com 17 anos? Como é que vês o mundo com 17 anos com 2 irmãos pequeninos e uma mãe doente? Como é que vês o mundo com 17 anos com 2 irmãos pequeninos, uma mãe doente e sem dinheiro sequer para comer? O que é que fazes (com 17 anos) quando a única coisa que pode salvar a casa onde vives é encontrar o teu pai que a hipotecou e fugiu por problemas relacionados com a justiça?

Nesta história, a personagem principal tenta encontrar o pai contra tudo e contra todos. “Todos” que neste caso é uma sociedade americana do interior profundo, uma comunidade fechada de hillbillys do pior e que à medida que o filme se vai desenvolvendo se percebe que fazem quase todos parte de uma gigantesca conspiração sobre o desaparecimento do pai.

O genial deste filme é que é tudo visto aos olhos de uma “criança” de 17 anos, sem maldade e com o único intuito de encontrar o pai para se poder salvar a si e principalmente a sua família. Estes 17 anos adultíssimos são maravilhosamente interpretados pela Jennifer Lawrence e deixa-nos com um nó na garganta. A história dá um twist inesperado, e o twist diabólico da história não é repentino e no final do filme como habitual. Vai se apresentando aos nossos olhos como se fossemos a protagonista principal sem maldade suficiente para perceber o que se está a passar à sua volta.

Quando percebe, reage com a coerência que se espera da personagem criada numa cena absolutamente notável a nível de representação. Há pessoas assim. Que se guiam pelo que esta correto, sem maldade e com uma coragem avassaladora. São as luzes nos locais escuros. São as pedras na tempestade que é a vida. São a inspiração para um mundo melhor. E filmes que passem essa mensagem também estão a contribuir de alguma forma para um mundo melhor.

Bad-Lieutenant-Port-of-Call-New-Orleans

12 – BAD LIEUTENENT

Nicholas cage is back in bussiness, na melhor forma desde os anos dourados (Wild at Heart, Arizona Junior, Leaving Las Vegas). Só por isto já vale a pena ver este filme. Acho uma enorme desconsideração por esta grande performance não ter estado presente nos vários prémios de cinema ao longo do ano. Mas o cinema é assim, os Cães Danados não tiveram qualquer nomeação para os Óscares.

Há filmes que não estão destinados a consensos. E este é definitivamente um deles. Centra-se numa personagem complexa e negra, mas muitíssimo bem construída e fenomenalmente interpretada. É também o melhor filme de Herzog dos últimos anos. A personagem do Nicholas Cage é absolutamente desprezível, negra, louca e moralmente negativa, mas consegue ser assim e ter poder real para interferir e mudar a vida das pessoas. O filme consegue de uma forma credível nos mostrar como uma pessoa assim pode perfeitamente viver em sociedade e manter o seu poder intocável.

Um bom retrato dos podres da nossa sociedade atual com o Nicholas Cage a credibilizar em absoluto a sua personagem e o filme como um todo. Outro pormenor muito interessante é como o Herzog filma a loucura do Nicholas Cage. Com quebras absolutamente inovadoras e loucas a meio do filme que nos surpreendem e nos deixam desorientados. Um grande filme e um grande ator em 2011 (espero que seja o comeback do nicholas cage que é um grande ator e ainda tem mesmo muito para dar).

Exit-Through-The-Gift-Shop

13 – EXIT TROUGHT THE GIFT SHOP

Há filmes assim. Aparecem não sabemos bem de onde, por artistas que não conhecemos bem, em formato de documentário e que se tornam dos melhores filmes do ano. O artista em questão é um artista de street art reconhecidíssimo (Banksy) que decidiu fazer um filme/documentário. Foi inteligente o suficiente para saber o que era preciso para fazer um bom filme e com isso não comprometer a sua excelente carreira. E um bom filme, na sua base, só precisa de 2 coisas. Contar uma boa história e ter personagens cativantes. Tudo o resto vem atrás. Neste caso são real life characters com uma história transcendental. Aproveita para nos apresentar o mundo da street art, que provavelmente a maioria das pessoas desconhece mas que é altamente cativante, desafiante, inovador e criativo. Um dos mais refrescantes filmes de 2010.

vlcsnap00010_original

14 – THE TOWN

Sem espinhas. É um excelente filme intemporal. O Ben Aflleck definitivamente tem de se dedicar à realização. Depois de um excelente Gone baby Gone (ainda melhor que este), continua a sua caminhada bem seguro e com grande talento. Filma e conta histórias reais de pessoas reais e em locais reais. Sente-se a realidade nos filmes dele sem com isso deixar de contar histórias interessantes. Descreve o meio pobre da sociedade americana (especialmente de Boston) de uma forma exemplar e coloca-nos entre estas personagens de uma forma que faz lembrar uma das melhores séries de televisão de sempre (The Wire). Consegue grandes performances dos seus atores. Ou seja, está no caminho certo e tem o talento que se pretende de um bom realizador. Penso que poderá vir a ter um filme ainda mais reconhecido se mantiver este nível para o futuro. Mais um bom realizador para se juntar a um naipe cada vez mais restrito.

hit_girl_kick_ass_2_movie-wide

15 – KICK ASS

O filme dos super heróis sem super poderes. Ao contrário do Scott Pilgrim que coloca o fantástico à frente (MUITO À FRENTE) da realidade, este é exatamente o contrário. A realidade está sempre a lembrar os super heróis que não tem poderes sobrenaturais. Mas que podem ter poder para ajudar (no caso dos bons) ou prejudicar (no caso do maus) se realmente quiserem e se se esforçarem para isso. O mote é este mas o filme é excelente pelo argumento e pela excelente comédia que se tornou. Este mote permite ter cenas hilariantes entre os vários personagens. O Nicholas Cage está excelente pela segunda vez este ano e este filme traz ao mundo do cinema uma das suas maiores promessas. Uma fenomenal performance de Chloe Moretz como Hit Girl. Uma miúda de 13 anos que transporta o filme às suas costas e que nos deixa absolutamente rendidos às suas capacidades. Adoro esta miúda como atriz e é um prazer vê-la em ação. Já fez este ano mais um filme “forte”, a adaptação do Let the right one in (que me recuso a ver por ter gostado tanto do original sueco) e de certeza que nos continuará a surpreender no futuro. Chloe Moretz. Um nome a seguir e a razão deste filme estar nesta lista e não o King’s Speech.
scriptfactory.pt

Anúncios